Precisamos Conversar Sobre: Simplesmente Acontece

simplesmente_acontece_1

Para quem me conhece sabe que sou apaixonada por filmes de romance – sim, uma verdadeira donzela. Essa noite resolvi assistir – novamente – o filme Simplesmente Acontece, e chorar um pouco. Vai dizer que vocês não fazem isso? Pegam um pedaço de chocolate, seu notebook e procura um filme que a faça chorar, haha. Sempre temos momentos na vida, e sempre que estou em uma vibe meio bad, acabo fazendo isso.

Sei que o filme já é velho, mas como comecei o blog por agora, resolvi contar para vocês minha experiência assistindo esse filme.

”Você aceita ir ao baile comigo, Rosie?”
”Antes tarde do que nunca”.

”Tire ela para dançar. Não tenha medo de demonstrar e dizer o quanto você a ama. Diga e viva intensamente os sentimentos que existem dentro de seu peito.” Sempre digo isso à Alex quando assisto ao filme.

Confesso que sempre fico no chão assistindo esse filme. Não apenas pelo romance, mas por toda lição que o mesmo me proporciona. Em todos os filmes que assisto, sempre tiro alguma lição para minha vida, e com Simplesmente Acontece não poderia ser diferente. Somos apresentados a dois amigos: Alex e Rosie. Amigos de infância, onde vemos uma amizade pura e sincera entre um homem e uma mulher. Mas logo de cara, torcemos e sabemos que rola alguma coisa entre os dois – mas sempre tem aquela coisa da amizade.

O filme traz enormes reviravoltas tanto para a vida de Alex como para a vida de Rosie. Já parei para pensar inúmeras vezes de como nossos destinos estão querendo ou não, sendo traçados e ”destraçados” a cada dia que passa. Que a vida pode nos ser apresentada do modo em que planejamos ou simplesmente nos surpreender. Que um amor pode sim estar literalmente ao seu lado, mas com o ”deixar passar” da correria e do dia a dia, acabamos nos esquecendo de viver, e aceitamos aquilo que dá para aceitar. Na verdade, nos conformamos.

Às vezes por não demonstrarmos ou por simplesmente não abrirmos nossos corações e dizer a alguém o quão importante ela é, perdemos a mesma para sempre – ou até mesmo por um curto momento. E se Alex tivesse desde o primeiro instante, declarado seus sentimentos para Rosie? Com certeza o caminho de ambos seria bem mais curto e sem muitas reviravoltas. A verdade é que não temos como prever o futuro. Não podemos simplesmente deixar que a vida seja toda planejada e que esqueçamos de viver – e também não podemos viver como se não houvesse um amanhã, e deixarmos nossos sonhos e projetos sem planejamento.

Acredito que devamos ter um ponto de equilíbrio sobre a vida; sobre nossos sentimentos e até mesmos sobre o nosso eu. Sabermos de fato a importância que cada pessoa tem em nossas vidas, e nos entregarmos na medida certa para que não possamos nos arrepender, e que a vida não venha nos afastar de pessoas que amamos, mas que deixamos escapar por puro medo. Então, viva o hoje! Seja feliz. Ame. Que aquela famosa frase clichê seja nosso lema de vida: não deixe para amanhã o que se pode fazer hoje. Carpe Diem, baby! Chore. Viva intensamente. Só não esqueça de ser você e de viver sua vida da melhor forma possível, antes que o destino lhe pregue uma peça, e você se perca em sonhos e se esqueça de viver. 

Viagem: Gramado

Ei pessoal! Tudo bem?

Hoje resolvi trazer um post diferente pra vocês ❤  Na verdade, gostaria de pedir desculpas pelo sumiço, viu? Fiquei uma semana em Gramado/RS, e acabei não postando nada. Levei dois livros + o Kindle pra ler. Vocês leram? Porque eu não, haha. Pensei que conseguiria pelo menos antes de dormir, mas andei e aproveitei tanto a cidade, que acabei não tendo tempo para ler, haha. 

Bom, pra quem ainda não conhece a cidade, vou deixar alguns dados sobre Gramado, e contarei minha experiência como a primeira viagem grande que fiz em família – sim, não viajamos muito, e depois dessas férias, tiramos como lição que devemos sim aproveitar todos os momentos em família, e isso inclui viajar mais ❤ 

INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

Gramado é um município do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil. Localiza-se na Serra Gaúcha, mais precisamente na Região das Hortênsias, a uma latitude 29º 22′ 44″ sul e a uma longitude 50º 52′ 26″ oeste, estando a uma altitude de 830 metros. Sua população estimada em 2013 é de 34 110 habitantes. Possui uma área de 237,019 quilômetros quadrados. Seu principal acesso se dá através da RS-115, embora também seja atendida pelas rodovias RS-235 e RS-373.

Sua demografia é etnicamente variada, com forte influência alemã e italiana, o que se reflete especialmente na culinária e na arquitetura urbana e rural. Com uma economia voltada ao turismo, a cidade recebe, anualmente, cerca de milhões de turistas nacionais e estrangeiros.

Gramado/RS

gramado-rs-dicas

 Site: Por aí de Mochila

Bom gente, minha experiência em Gramado é: quem tiver a oportunidade de visitar a cidade pelo menos em alguma temporada, vá! Vale super a pena a experiência. Pegamos a temporada do Natal Luz *-* pensa em uma cidade que você respira o Natal? É lindo demais! Todos os dias tem programações na cidade, além de vários passeios que você pode estar fazendo. 

Infelizmente tirei poucas fotos da cidade. Sim! Esqueci minha câmera em casa, e acabei levando apenas o celular. E não tem como: paguei de blogueirinha mesmo, haha. Tirei várias fotos pessoais – não tem como uma foto ficar feia nessa cidade, gente. 

Fiquei hospedada em uma pousada muito fofa: Hotel Pequeno Bosque. Ela é uma delícia, e além do café da manhã ser maravilhoso, hehe. Além disso, a pousada é super localizada, e dá pra ir andando para o centro de Gramado – acho que não engordei, pelo fato de andar a mesma proporção que eu comi kkk. 

15996252_1272265382809432_1160271653_n

Disseram que estava fazendo bastante calor esses dias por lá, e em nosso primeiro dia, pegamos uma noite assim: neblina total. Gramado é um tanto quanto louco, haha. Minha mãe disse que você tem todas as estações em um único dia. O restante da semana, fez muito calor, mas a noite esfriava bem pouquinho – mas pra capixaba qualquer vento é frio, então não posso dizer a vocês se fez ou não frio. 

15942285_1272265092809461_694986792_n

Visitamos também o Parque das Lavandas. Pensa em um lugar cheiroso? Parecia o jardim do livro O Jardim Secreto. O rapaz que estava conosco disse que o local é uma propriedade, onde o proprietário abriu para o público. Um dos lugares mais cheirosos que já fui na vida, sério. Muito gostoso! Além disso, a entrada toda de Gramado tem Hortênsias gente! Ou seja, amor ao quadrado. 

Visitamos também alguns Museus, como o Mundo do Vapor e o Museu de Cera. Conhecemos a Fábrica de Perfumes, O Mundo dos Cristais, Mini Mundo e o Lago Negro. 

16111653_1272265186142785_963577879_n

Além dessas experiências, podemos conhecer ainda a Snowland: o maior parque de neve artificial da América Latina. No dia em que estávamos lá, se eu não me engano, estava em -5º negativo, haha. E pra quem deseja tomar um chocolate quente lá dentro, prepare-se: pois na hora em que tomei, parece que fiquei com mais frio kkk. 

16111269_1272257282810242_1259604154_n

P.S.: como minhas mãos doeram quando larguei essa neve, viu? haha. 

Eu, Talita, tive uma maravilhosa experiência em Gramado. Amei tudo! A população é muito simpática, muito receptiva. Parecia que estávamos em outro país, sério. Uma coisa que me chocou por completo: a cidade não tem semáforo. Isso mesmo! Eles utilizam apenas as  rotatórias faixa de pedestres. Você não encontra lixo pela cidade e também não encontra mendigos por lá. Fiquei muito encantada com tudo! E é por isso que indico Gramado para quem deseja sair um pouco da correria do dia a dia e conhecer um pedacinho da Alemanha/Itália aqui em nosso país. 

Resenha: O Visconde que me Amava

Título: O Visconde que me amava
Autor (a): Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Ano: 2013
Onde comprar: Amazon|Saraiva|Submarino
Classificação: 5/5

Sinopse: A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva. Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela. Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.

Sempre que desejo atingir algo em minha vida, começo a planejar e fazer metas. Atualmente faço bastante listas também. Nesse segundo livro da série Os Bridgertons somos convidados a conhecer melhor sobre o primogênito da família: Anthony Bridgerton. O livro já me conquistou a partir do momento em que Anthony começa a fazer uma lista do que uma esposa teria que ter para ser considerada ideal. Ora essa: um dos maiores libertinos que conhecemos no primeiro livro de Julia Quinn pensando em casar? 

O mais cômico disso tudo, é que ele resolve que irá se casar com umas das solteiras mais cobiçadas na temporada: Edwina Sheffield. Uma moça linda para sua época, que por sua vez, comentou em algum dos consertos que participara, em alto e bom tom, que só se casaria com a permissão de sua irmã mas velha: Kate Sheffield. Diferente de sua irmã caçula, Kate não é tão cobiçada entre as solteiras. Digamos que a mesma possui uma beleza comum – uma beleza que não enchia os olhos de quem cobiçava Edwina. Nessa temporada, temos um visconde que está atrás de uma esposa, mas digamos que da esposa errada, haha. Kate é de longe, alguém que se encaixaria na lista de ”exigências” do Visconde. Ela é teimosa, implicante, retruca tudo que o mesmo diz. E gente: logo estamos torcendo para que os dois fiquem juntos. 

15910022_1265896370113000_13006772_n

Confesso que me encantei demais por essa história. Me vi envolvida por completo com a família Sheffield e ainda mais com os Bridgertons. Diferente do Duque e eu, conseguimos analisar um maior amor e devoção de Anthony à sua mãe e aos seus irmãos. Amei conhecê-lo ainda mais. Também fiquei apaixonada pelo relacionamento das irmãs Sheffields e de Mary Sheffield – em todo seu cuidado com as filhas ❤ 

15909452_1265896813446289_1097600645_n

O Visconde que me Amava entrou, sem dúvidas, para a minha lista de favoritos de 2016/2017. Julia Quinn superou minhas expectativas com relação à essa maravilhosa série. Confesso que quero muito continuar os outros livros, porém, agora irei pausar um pouquinho e ler outro livro pra não enjoar de romance de epoca, haha.

E vocês? Já leram a série? Beijos. 

Livros que NÃO rolaram

Ei gente, tudo bem?

A maioria das pessoas/blogs fazem resenhas sobre os melhores livros do ano que passou, correto? Mas hoje vim conversar um pouquinho com vocês sobre alguns livros que não rolaram em 2016, e confesso que não estão rolando nesse início de 2017 – mesmo que estejamos no segundo dia, haha.

Mas antes, gostaria de desejar um feliz ano novo à todos, e agradecer desde já os que estão me acompanhando nesses quase 2 meses de blog ❤ espero que possamos manter mais e mais contato, e além disso, que vocês possam aproveitar da melhor maneira possível o conteúdo que disponibilizo para vocês.

Sem mais delongas, resolvi separar alguns livros que não rolaram em 2016, e espero ansiosamente conseguir concluí-los em 2017, viu?

pjo-1 Percy Jackson: Pra quem me conhece, sabe que um dos meus gêneros favoritos é fantasia. Fã nata de Harry Potter, e qualquer livro que envolva um mundo de fantasias. Entretanto, não havia lido Percy Jackson ainda, foi quando resolvi participar de um evento literário do autor, e me apaixonei por Magnus Chase. Algumas pessoas disseram que para ler Magnus Chase, seria conselhável ler Percy Jackson antes. A leitura foi fluindo, mas não deu. Parei na página 155 se eu não me engano, e desde então, passei vários livros na frente. Quero muito continuar, pois P-R-E-C-I-S-O ler Magnus Chase. 

download Os Instrumentos Mortais – Cidade dos Ossos: Jesus! O que dizer dessa série que mal conheço e não consigo decidir minha relação com ela? Confesso que minha relação com TMI é de amor e ódio, haha. Quando converso com minhas amigas que amam a série, sempre chego em casa e digo: PRECISO ler esse livro. Mas no meio da história, largo o livro. Até Anjo Mecânico eu já li – e amei – mas Instrumentos Mortais não rolou ainda. Espero que 2017 isso mude, viu?

selecao-4 A Herdeira: meu amor… eu AMO essa série da Kiera Cass. Mas quando descobri que haveria o quarto livro contando a história da filha de América e Maxon, eu quase morri de emoção. Esperei ansiosamente por esse livro, e nas primeiras páginas, o encanto morreu. Que menina chata! Não consegui continuar com o livro de modo algum. Gente! Pelo amor de Deus, viu? Acabei me concentrando apenas nos três primeiros livros, e esqueci completamente desse. Quero colocá-lo como meta de leitura, pois preciso terminar isso, haha.

51ye8tuqmll-_sx335_bo1204203200_Encontrada: não é que o livro não tenha rolado, só que peguei ele em uma empolgação quando terminei perdida, e não consegui concluir. Sou uma pessoa que não consegue ler um livro da mesma série atrás do outro – só quando a história me prende com todas as forças, ai eu vou até o fim. Diferente dos outros citados acima, não me decepcionei com o livro – só não rolou. Espero conseguir ler logo, pois amei demais perdida, e tenho certeza que encontrada não será diferente.

como-se-fosse-magia Como se fosse magia: Gente! Pensa em um livro que não rolou de forma alguma? Escolhi esse livro para participar da maratona do desespero, porém, o primeiro desafio era um livro nacional. Empaquei nesse livro de uma forma, que não consegui concluir a maratona. Sempre que pegava o livro, me dava sono. Estou na página 105 desde o dia 25/12/2016, haha. Achei estranho a forma como o livro é contado, não sei explicar. Quando conseguir finalizá-lo irei fazer uma resenha – e espero que isso livro possa me surpreender, pois até agora ele não está descendo não.

E vocês? Já leram algum desses livros? Vale a pena insistir? Haha.

Beijos ❤

Uma mensagem ao Ano Velho

Confesso que todo final de ano, resolvo parar e analisar tudo que fiz no ano que está a passar. Cada momento vivido – ou não vivido – cada amizade construída e até mesmo amizades desfeitas. Sempre coloco como meta do ano seguinte, ser um ano de mudanças: e olha, não é que está dando certo?

A cada dia vivido, percebo que não fui feita para ser perfeita – fui feita para ser humana. Nasci para aceitar erros, fracassos, confessar quando estou com ciúmes de um (a) amigo (a), permitir viver ótimos momentos com pessoas que amamos, aproveitar a felicidade do próximo – como ir em uma Colação de Grau quase 2 horas da sua cidade, só para prestigiar de perto um amigo.

Por mais que 2016 tenha sido um ano que não considerei bom, posso dizer que ele chegou quase lá. Tantas amizades construídas, tantas amizades conquistadas e convidadas a permanecer pra sempre ao meu lado – e aquelas que já estão desde sempre comigo. Algumas outras que se foram… mas saiba que os momentos vividos com as mesmas, foram de fato aproveitados da melhor maneira possível.

E por mais que já tenha dito ”Ei, 2016! Já deu. Pode ir embora, viu?”, devo agradecer ao ano que me trouxe tantas verdades. Me mostrou caminhos que não conhecia, e experiências que fizeram que eu parasse e pensasse: opa! não é por esse caminho, Talita. Agradecer ainda que essa última semana do ano, está sendo de fato uma das melhores semanas de 2016 para minha vida.

Espero ansiosamente que 2017 me surpreenda, mas que eu também possa surpreende-lo. Com isso, desejo à todos vocês um feliz ano velho. Sim! Viva essa última semana de 2016 como se fosse a última de sua vida. Festeje, aproveite os momentos com os amigos, ria, chore, vá a praia lavar sua alma com um misto de felicidade e desejo, encontre amigos e diga que os ama. Apenas seja feliz; para que 2017 comece diferente de tudo aquilo que você já viveu e presenciou em sua vida.

🙂

Resenha: O Duque e eu

Título: O Duque e eu
Autor (a): Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Ano: 2013
Onde comprar: Amazon|Saraiva|Submarino
Classificação: 4/5

Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta. Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida. Primeiro dos oito livros da série Os Bridgertons, O duque e eu é uma bela história sobre o poder do amor, contada com o senso de humor afiado e a sensibilidade que são marcas registradas de Julia Quinn, autora com 8 milhões de exemplares vendidos.

Quem diria! Eu, Talita lendo romance de época, haha. Confesso que não é meu gênero favorito, entretanto, resolvi dar uma chance para o gênero que arranca suspiros das formas mais diversificadas de adolescentes e jovens de nossos dias atuais. Quando conheci a autora, foi por acaso na livraria de minha cidade. Resolvi comprar pra dar uma chance, porém não li. Nesse meio tempo, houve um evento literário em minha cidade sobre romance de época, e foi nele que resolvi que iria ler O Duque e eu. 

Assim que peguei o livro para ler, confesso ainda que deixei o mesmo um pouco de lado, entretanto, indiquei para uma amiga e ela leu primeiro que eu risos. Por mais que o livro seja de um gênero que não é de longe um de meus favoritos, posso afirmar com todas as letras que me apaixonei por O Duque e eu. 

Somos apresentamos a família Bridgerton – uma família nada comum até mesmo para a época. Uma família composta por oito filhos e seus nomes são em ordem alfabética. O livro é o primeiro da série Os Bridgertons e vai contar a história da quarta filha da família, entretanto, a mais velha entre as meninas a Daphne Bridgerton. Nossa protagonista é a famosa mocinha de livros de romance de época: sonhadora, deseja casar com um homem que possa fazê-la feliz, e além disso, que possa lhe dar uma família grande assim como a sua. Mas diferente das mocinhas de sua época, Daphne é um tanto quanto diferente, tendo em vista que ela é uma moça muito simpática, decidida e tem vários amigos – mas nenhum a corteja pelo fato de considerá-la amiga – e também por outro fato que descobrimos no livro, haha. 

15673489_1247915758577728_507141499_n

Por outro lado, temos Simon Basset: o duque libertino de Hastings. Simon não veio de uma família grande e estruturada como Daphne, e por conta de ter sofrido em sua infância, o mesmo é um tanto quanto fechado para o amor. Porém, logo que os dois se conhecem, são atraídos um ao outro – não apenas como amantes, mas também pela amizade entre os dois. Ah! E vale super a pena dizer que Simon é o melhor amigo de Anthony Bridgerton, o irmão mais velho de Daphne. Nessa situação, somos tomados por momentos intensos entre os personagens, além da amizade sincera de Daphne e Simon. Conhecemos um pouco os membros dessa enorme família –  e eu já tenho meu favorito, porém é o quarto livro.

Por mais que eu tenha gostado do livro e dos personagens, haviam momentos em que eu não tinha paciência alguma com Daphne e Simon. Mas logo passava essa falta de paciência com os dois, haha. No começo a leitura foi um pouco difícil, tendo em vista que não é meu gênero de leitura favorito – sempre corro quando o livro é romance de época, haha. Mas eu realmente me rendi, e já estou lendo o segundo livro dessa maravilhosa série. 

O Duque e eu já entrou para minha lista de favoritos desse ano, e confesso que se continuar nesse ritmo, iriei de fato amar essa série. 

15666272_1247915785244392_272903702_n

E vocês? Já leram os livros? 

Simon não desejava ser o heroi de ninguém, mas nem ele poderia ignorar um insulto dessa magnitude.

Resenha: A arte da Guerra

Título: A Arte da guerra
Autor (a): Sun Tzu
Editora: Afiliada
Ano: 2008
Onde comprar: Amazon|Saraiva|Submarino
Classificação: 5/5 

Sinopse: O maior tratado de guerra de todos os tempos em sua versão completa em português traduzida diretamente do chinês por André Bueno, sinólogo com mestrado em história e doutorado em filosofia. A Arte da Guerra é sem dúvida a Bíblia da estratégia, sendo hoje utilizada amplamente no mundo dos negócios, conquistando pessoas e mercados. Não nos surpreende vê-la citada em filmes como Wall Street (Oliver Stone, 1990) e constantemente aplicada para solucionar os mais recentes conflitos do nosso dia-a-dia. Conheça um dos maiores ícones da estratégia dos últimos 2500 anos. Sunzi disse: “A guerra se baseia no engano, se faz pelo ganho e se adapta pela divisão e combinação.” “Tal como a água procura as profundezas e evita os cumes, um exército ataca o vazio e evita o cheio. A água se move de acordo com a terra; um exército se movimenta de acordo com o inimigo.” “Quando o general é fraco, sem autoridade junto aos soldados, suas regras são confusas e sua moral é baixa, o exército é confuso.”

Um livro que superou minhas expectativas como pessoa, e também como leitora, foi sem dúvida alguma, A arte da Guerra. Li esse pequeno livro 154 páginas por conta da faculdade, e não sabia que minha visão de mundo mudaria de forma completa por conta desse livro. Sem dúvidas, por mais que seja um livro pequeno, posso garantir que é um dos maiores livros que já li – pelo menos com todas as lições que pude retirar do mesmo. 

A arte da Guerra nos traz a história de Sun Tzu: um guerreiro chinês da era antes de Cristo, trazendo consigo seus profundos ensinamentos sobre como conquistar o seu oponente sem luta. Ir atrás da vitória fazendo com que seu próprio adversário lute contra si mesmo. Um livro que traz questões políticas e também sobre como vencer seu adversário das formas mais inusitadas que já li. 

15591977_1245435622159075_1597527238_n

Por ser considerado um clássico da literatura, muitas faculdades indicam a leitura desse livro, para que seus alunos possam sem dúvida, terem uma visão mais ampla da ideia de conquistar sua vitória, e assim, ir atrás de seus objetivos sem passar por cima de ninguém – ser de fato considerado um estrategista. No começo, achei o livro confuso – até porquê, havia acabado de sair do ensino médio, onde minha leitura mais ”cabeça”, havia sido livros de Machado de Assis. Quando comecei a ler esse clássico, ao mesmo tempo que não entendia algumas situações, fiquei totalmente fascinada com a ideia de estratégia de Sun Tzu, o modo como ele dominada as situações, e acreditava fielmente em suas conquistas. 

A ideia principal do livro é como já mencionado, a ideia de obter uma vitória, porém sem luta – e até mesmo travar uma vitória interna contra si mesmo caso seja preciso para vencer uma luta. 

Além disso, o livro traz uma metáfora de um campo de batalha, e nisso, fazemos uma analogia pela disputa entre empresas no meio de uma sociedade. 

15592413_1245435602159077_617376456_n

Nesse contexto, para quem deseja uma leitura um pouco mais adulta e com significados e menções estratégicas, vale super a pena ler esse livro. Até mesmo para as pessoas que não desejam estratégias, o livro traz reflexões bastante significativas que podem ajudar em seu conflito interior – caso esteja passando por algum. 

Aparente inferioridade e provoque a arrogância do adversário.

Resenha: A Seleção

Título: A Seleção
Autor (a): Kiera Cass
Editora: Seguinte
Ano: 2012
Onde comprar: Amazon|Saraiva|Submarino
Classificação: 5/5 

61ettnf27vl-_sx359_bo1204203200_Sinopse: Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alçada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.Para America Singer, no entanto, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama. Abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.Então America conhece pessoalmente o príncipe – e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que nunca tinha ousado imaginar.

Como começar essa resenha de um livro que tanto amo? Confesso que a primeira vez que vi o livro, achei a capa incrível, entretanto não comprei por achar que seria infantil demais – engano meu. Bom, confesso que comprei o livro mais pela capa, mas sabe aqueles livros que te prendem de uma forma total, e você vira a noite lendo e querendo mais da história? Pois então: isso que  A seleção fez comigo. 

O livro traz a história de um país chamado Illéa, onde o mesmo é dividido em castas – sendo que a 1 pertence a nobreza, e a 8 que pertencem aos deficientes e até mesmo aos mendigos. A partir do momento em que há uma hierarquia entre as castas, percebemos que existe de fato vários conflitos internos no reino de Illéa, porém, sempre que tem um herdeiro ao trono na idade de se casar, começam a seleção para saber quem será a próxima rainha – tendo em vista que são selecionadas 35 garotas de todas as catas. E é assim que conhecemos America Singer: uma garota cantora da casta 5, que não estava disposta a entrar nessa disputa, entretanto, por mais que o seu coração pertencesse ao Aspen casta 6 – onde o namoro dos dois não seria permitido por ele ser de casta inferior – a mesma resolveu se aventurar nessa seleção; não apenas para esquecer Aspen de vez, mas por conta da falta de suprimentos que a família se encontra.

15554894_1240750059294298_323551859_n

Aquela história de que todas as garotas desejam ser princesas é de fato conto da carochinha, viu? Porque nossa protagonista chegando ao castelo, já deixa bem claro suas reais intenções ao príncipe Maxon não sou sua querida, haha. Gente! E o que é o príncipe Maxon? Nunca fui TeamAspen, e logo que um terceiro entrou na jogada, já fiquei toda eufórica. O livro traz temas bem interessantes além do ”conto de fadas” vivido por América, mas também nos mostra como a infelicidade de um povo pode sim destronar um Rei, e que revoltas podem ser perigosas a um reino caso o mesmo traga infelicidade para seus ”súditos”.  Além disso, nossa protagonista não está nem ai para o fato de que Maxon é seu príncipe, haha. E o mais bacaba é a imposição da sua vontade acima da ”vontade de seu príncipe”. Ela é difícil gente, mas no bom sentido. Um difícil que sabe impor sua opinião e não ir contrário aos seus costumes e a sua moral.

15571033_1240750045960966_1661149325_n

A fantasia distópica que Kiera Cass nos apresenta tornou-se um dos ápices das minhas leituras no ano de 2013, e assim como a trilogia não consegui sossegar até ler todos os livros lançados sobre o universo de America Singer. 

“… a ideia de entrar em um concurso que o país inteiro acompanharia só para ver um riquinho esnobe escolher a moça mais linda e sonsa do grupo para ser o rosto calado e bonito que apareceria ao lado dele na TV… era o bastante para me fazer gritar. Haveria humilhação maior?”

E ai? Alguém aqui já leu?

Beijos e até a próxima resenha ^^

TAG: 5 CAPAS MAIS BONITAS

Ei gente, tudo bem?

Hoje liberei um vídeo lá no canal referente à uma TAG que vi uma moça aqui de meu estado fazendo, que é ”As 5 capas mais bonitas da minha estante”. Essa TAG eu não sei quem a criou, entretanto, eu a vi no canal da Estação Literária. 

Para quem tem interesse de assistir ao vídeo, basta clicar aqui.

Espero muito que vocês gostem do vídeo, e se possível, que se inscrevam no canal ❤

Resenha: Histórias de Hogwarts

Título: Histórias de Hogwarts: Poder, Política e Poltergeists Petulantes
Autor (a): J.K Rowling
E-book
Onde comprar: Amazon
Classificação: 5/5 ❤ 

Tudo que envolva o universo mágico de J.K Rowling vale a pena ser lido, não é mesmo? E com esse e-book lançado pelo Pottermore não seria diferente. Assim que fiquei sabendo dele e dos outros 2 e-books corri no site da Amazon e os adquiri. Confesso que ainda não li os outros dois, entretanto, a resenha de hoje falaremos sobre Poder, Política e Poltergeists Petulantes.

15424468_1234806946555276_779628699_n

O e-book traz várias informações e nos apresenta personagens que já conhecemos, e ainda, como e porque daquele personagem ser do jeito que conhecemos. Na verdade, conta um pouquinho da história de cada – e achei isso super interessante. Bom, no primeiro capítulo temos a história de nossa querida sóquenão  Dolores Umbridge. Achei bem interessante a forma com que a J.K a descreve com ”a aparência de um cupcake decorada, mas não tinha nada de doce”. Ela ainda traz no início a data de aniversário, qual a varinha da bruxa, qual casa ela pertenceu e suas habilidades especiais. No decorrer do primeiro capítulo temos uma apresentação do passado sombrio da mesma. Sobre sua família, de como ela chegou ao poder e etc. Acabamos conhecendo um pouco mais afundo uma das bruxas mais odiadas no universo mágico. 

No segundo capítulo temos a presença dos Ministros da Magia de Azkaban. Confesso que gostei bastante, pois vai passando e comentando sobre cada Ministro que assumiu e em que ano o mesmo ”governava”. Achei úteis as informações, e nesse capítulo, conseguimos conhecer o passado e presente do Ministério da Magia.

15401429_1234806953221942_1841719725_n

No terceiro capítulo é o maior capítulo, pois o mesmo trata sobre Horácio Slughorn, Porções, Porção Polissuco e Caldeirões. Conhecemos mais afundo o professor Horácio e seu elitismo entre os alunos, pois sempre estava em busca de pessoas que possuíam poderes excepcionais. Além disso, é o famoso professor que adorava Tom Servolo Riddle: uma vez que o mesmo conseguiu descobrir através de seu professor como criar Horcruxes. Com relação as porções J.K traz explicações assim como fala sobre Porção polissuco e explica mais um pouquinho sobre a famosa porção que nos é apresentada nos livros e no segundo filme de HP. Comenta ainda um pouquinho sobre a figura dos caldeirões e como a figura dos mesmos são tão importantes para a comunidade bruxa.

Já no quarto capítulo descobrimos um pouco mais sobre o professor Quirino Quirrell – o primeiro professor de Defesa Contra as Artes das Trevas de Harry Potter. Ficamos sabendo ainda como e porque Voldermort o escolheu para habitar temporariamente em seu corpo.

E por fim, o quinto capítulo Pirraça, o poltergeist temos a história de nosso fantasma favorito: O pirraça. Pra quem já leu os livros, com certeza sentiram a falta dele nos filmes assim como eu. De acordo com J.K: poltergeist seria pelo simplesmente um fantasma barulhento, haha.

Para quem ainda não leu, super indico os e-books. Com certeza vocês irão amar todas as explicações. Sem contar que no final de cada capítulo, temos reflexões da J.K Rowling e os comentários são super válidos.